«As sufragistas»

imagem

Este fim de semana fui ao cinema ver «As sufragistas», filme recém estreado, que achei impressionante, pois fez-me refletir sobre os direitos, que temos hoje por garantidos. Na verdade, às vezes, não damos o real valor aos direitos que os nossos antepassados conquistaram, com tanto sangue, suor e lágrimas. Esta história é bem exemplo disso…

Tendo como cenário Londres, no início do século XX, o filme revela-nos o percurso de um grupo de mulheres corajosas, que lutou com afinco pelos seus ideais, reivindicando o direito ao voto, e o direito à igualdade com os homens. O movimento de rebelião nasceu com a fundação da União Nacional pelo Sufrágio feminino, onde se destacou a figura de Emmeline Pankhurst, papel representado no filme por Meryl Streep, que contou com o apoio de um elevado número de trabalhadoras da classe operária. Esta mulher, à frente do seu tempo, teve a ousadia de desafiar o sistema político e as autoridades da época, defendendo a liberdade e igualdade dos direitos das mulheres.

Radicalizadas e entregues à militância, o movimento feminino enfrenta o poder dos homens, de uma sociedade conservadora e fechada, com mentalidade retrógrada, que vê nas mulheres apenas um objeto com função social de reprodução e trabalho, onde lhes é vedado o direito a pensar, à liberdade e a possuírem capacidade de escolha perante a vida. Nesse sentido, muitas destas mulheres escolheram seguir uma vida clandestina, de perseguição, prisão e tortura, abandonando as suas vidas domésticas e familiares, para se unirem à causa do sufrágio feminino.

Olhando para a realidade atual, este é um filme que nos dá mesmo que pensar, sobretudo quando assistimos aos valores elevados de abstenção nas votações, como se verificou nas últimas eleições legislativas em Portugal. Parece-me pois bizarro que estas mulheres aventureiras e carregadas de vontade, tenham colocado a sua vida em risco, ou até a tenham perdido por esta causa, para nós presentemente desvalorizamos o direito ao voto e inventarmos todas as desculpas do mundo para não irmos votar… Dá de facto que pensar…!

«Never Surrender, never give up the fight»

Fiilme realizado por Sarah Gavron (“Brick Lane”, com argumento de Abi Morgan, com a participação dramática de Carey Mullingan, helena Bonham Carter, Meryl Sreep, Bem Whishaw, Brendan Gleeson e Anne-Marie Duff.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s