«O Principezinho » de Antoine de Saint-Exupéry

prince_07

Não podia deixar de incluir nesta lista de livros mágicos, a obra mais célebre de Saint-Exupéry, que ficará para sempre eternizada, «O Principezinho».

Esta é uma bela história sobre as aventuras de um pequeno rapaz, de cabelos cor de ouro, que viaja por vários planetas, onde descobre várias personagens e muitas histórias bizarras para contar. O último planeta que conhece é a Terra, onde encontra um aviador, apeado no deserto, com o avião avariado, que é também o narrador desta história.

Na Terra o principezinho descobre que, ao contrário do que sucedia no seu planeta, o esteróide B 612, pouco maior do que uma casa, onde existia apenas uma única flor, aqui existiriam milhares de flores iguais, mas nenhuma como a sua flor especial, que por ser única merecia cuidados e uma dedicação tão grande que o levava a regá-la, a protege-la do frio e dos perigos que podiam coloca-la em risco, fazendo de tudo para que nenhum mal lhe sucedesse.

É na Terra também que o principezinho encontra uma raposa, personagem que lhe ensina o valor do amor e da amizade e lhe revela que nem sempre o mais importante é o que se vê, o que é materializável e racional, pois «o essencial é invisível aos olhos», só se sente com o coração.fox_le_petit_princebxa

É ela também quem lhe explica que a amizade merece cuidados especiais, para que tal como a sua flor, esta seja única e especial, fala-lhe da importância de nos deixarmos envolver pelo outro que entra na nossa vida, para lhe dedicarmos tempo e atenção.

«Os homens não perdem tempo a conhecer nada. Vão às lojas e compram tudo pré-fabricado. Só que como não há lojas de amigos, os homens já não têm amigos. Se queres um amigo cativa-me!»

A raposa ensina o menino a deixar-se cativar e a sentir amor pelos outros, falando-lhe dos rituais de felicidade dos encontros entre os amigos, que fazem antecipar a alegria mesmo antes deles acontecerem.

«Se chegares, por exemplo às quatro horas da tarde, começarei a ficar contente logo a partir das três. Quanto mais os minutos passarem, mais feliz ficarei».

«Cativar» é nesta obra o verbo perfeito para designar o ato de tornar alguém importante nas nossas vidas, ficando nós eternamente responsáveis por aquilo que «cativamos». Neste sentido, com estas belas e simples palavras, redescobrimos o sentido mágico da amizade e da responsabilidade que devemos assumir, quando incluímos alguém na nossa vida, devendo nutrir esse elo, como a flor do principezinho para que ela cresça, floresça e se mantenha sempre viçosa.

Estes ensinamentos que qualquer criança entende, nem sempre são fáceis de aplicar e de viver pelos adultos, que desistem de se doar aos outros, de estar presentes, de acreditar na entreajuda e no espírito solidário. Por estes motivos, este livro é intemporal, pois os seus ensinamentos são sempre atuais, podendo ver neste menino ingénuo a criança que ainda existe em nós, e que nem sempre escutamos. Afinal, nem tudo é visível com os olhos, mas sentido com o coração.

pequeno_principe  CATIVAS FRASE

Anúncios

Um comentário em “«O Principezinho » de Antoine de Saint-Exupéry

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s