Acreditas em Magia?

15032096_551040588428095_8577201889335930692_n.jpg

O livro que vos vou dar a conhecer nos próximos dias começa assim…
«Lembra-se de quando era criança e olhava para a vida com total deslumbramento e assombro? A vida era mágica e excitante e até as mais pequenas coisas eram absolutamente empolgantes. Ficávamos fascinados com a geada na relva, com uma borboleta a esvoaçar pelo ar, com qualquer folha estranha ou pedra diferente no chão.
Ficávamos excitados quando perdíamos um dente porque isso significava que a fada dos Dentes viria nessa noite, e contávamos os dias que faltavam para a noite mágica do Natal! Embora não fizéssemos a mais pequena ideia de como o Pai Natal conseguia chegar a todas as crianças do mundo numa noite, de alguma forma ele fazia-o e nunca nos desiludia.
As renas voavam, havia fadas no jardim, os animais de estimação eram como pessoas, os brinquedos tinham personalidades, os sonhos realizavam-se e conseguíamos tocar nas estrelas. O nosso coração estava repleto de alegria, a nossa imaginação não tinha limites e acreditávamos que a vida era mágica!
Existe uma sensação maravilhosa, que muitos de nós tínhamos em crianças, de que tudo é bom, de que cada dia promete mais excitação e aventura e de que nada poderá alguma vez matar a nossa alegria pela magia de tudo isso. Porém, sem sabermos bem como, crescemos, tornamo-nos adultos, as responsabilidades, os problemas e dificuldades exercem o seu peso sobre nós, tornando-nos desencantados e a magia em que em tempos acreditámos, quando crianças, desvanece-se e desaparece. É um dos motivos pelos quais, em adultos, adoramos estar perto de crianças, para podermos reviver essa sensação que em tempos tivemos, mesmo que seja por um momento.»
Identificas-te com estas palavras?
In: « A Magia», de Rhonda Byrne

Perdoar – a cura da alma

mahatma_gandhi_o_fraco_nunca_pode_p_wl

 

A falta de perdão é um dos “pecados capitais” da nossa instabilidade emocional, o qual muitas vezes por medo de fraqueza, por orgulho ou medo de exposição preferimos não aceitar, ou não pedir. E na verdade, quem continua preso a essa ideia, a essa pessoa, a essa situação? Sempre nós, não é verdade? Quantas horas, quantos dias, quantas noites mal dormidas não despendemos da nossa vida a querer esquecer algo que não há maneira de apagar, porque ali está a morder, a consumir-nos, a deitar-nos abaixo, a remoer naquele discurso viciante e angustiado da mente.

Mas nós perdoar? Ah isso não, porque não dá jeito, porque não, porque isso era dar o braço a torcer, porque isso nos vai fazer doer…era o que faltava… ora, logo aquela pessoa, aquela situação que nos magoou tanto… Mas, essa é uma escolha nossa, preferimos acabar com isso para nos libertar, ou preferimos manter essa cruz no peito, esse ódio a germinar e a dar frutos dentro de nós, que tentamos curar com antidepressivos. Preferimos manter o discurso das vítimas, dos coitadinhos, dos enganados, burlados, magoados e injustiçados, ou aceitar que os outros não souberam fazer melhor, ou têm outras limitações, outros padrões, outra educação, ou que desconhecemos os motivos que os levaram a ter determinadas condutas.

Perdoar não significa que aceitemos novamente na nossa vida essas pessoas que nos magoaram, que nos humilharam, apenas que aceitámos o que aconteceu e que queremos seguir em frente libertando-nos, com o coração leve porque deixámos ir toda a raiva acumulada, todo o ressentimento, todo lixo que deixámos agarrado em nós.

Deixo-te agora com uma sugestão, que só aceitas, se quiseres e se estiveres interessado (a) em te libertar, obviamente. Escolhe uma pessoa ou uma situação que te esteja a incomodar a tua paz de espírito. Fecha os olhos, concentra-te nisso e questiona-te:

  1. Identifica que tipo de emoção ou emoções estás a sentir?
  2. O que te leva a sentir assim?
  3. O que te diz a tua voz interior?
  4. Identifica por que te estás a sentir assim? O que é que essa situação te faz sentir que não deveria ter acontecido dessa forma?
  5. Se achares que te alivia, escreve uma carta de perdão à pessoa ou à situação que identificaste. Depois queima-a e liberta as suas cinzas no mar ou na terra e sente o alívio que sai de ti.
  6. Visualiza essa pessoa ou situação com uma luz branca vinda de cima e perdoa-a de verdade.

Fico à espera dos teus comentários, das tuas experiências, dos teus processos de aceitação e perdão. Ilumina-te com tudo o que te aconteceu…é mais uma aprendizagem para seguires em frente!

Um ano de blogue

1anomergulhandoemletras.jpg

Passou um ano a correr desde que decidi criar este blogue inspirado nas temáticas do Desenvolvimento Pessoal, do Coaching, e da Escrita. Passou tudo depressa demais, mas não passou a minha paixão por ler, escrever, e dar-vos a conhecer o que ando a ler e a refletir. Parei um pouco a minha atividade porque me encontro um pouco debilitada, em termos de energia, por isso diminui a quantidade de posts publicados, mas logo, logo, assim que  me sinta completamente restabelecida, a intenção é voltar em força, para poder dar continuidade ao meu projeto, que se pretende vir a ter um site próprio. Enquanto isso, vou deixando aqui ficar as minhas palavras, as minhas motivações e os meus insights, esperando que continuem a gostar, a seguir e a deixarem os vossos comentários.

Grata por este ano!

Ana Machado