Porto Mágico – Parte II

O segundo dia
Ao deambular pelas ruas e deixar-me levar, dei conta que o Porto tem estado mesmo a mudar. Imensas coisas novas, lojas diferentes, ambIMG_20170411_103121.jpgientes que dá vontade de invadir e ficar um pouco. Percebo que nunca tinha estado no Porto com este espírito de descoberta e de criatividade, já não sou uma turista que consome os locais para colocar um check à frente, sou uma viajante que se permite ficar nos locais o tempo suficiente para perceber um pouco sobre eles e sobretudo para os sentir. Procuro locais agradáveis, pouco apinhados neste Porto cada vez mais turístico, apenas com o fito de escrever livremente. Agora estou a viajar para escrever, em vez de andar a correr, apressada porque o tempo é sempre pouco e nos escapa, quando é escasso e há muito para fazer. Que sensação maravilhosa a de inverter as dinâmicas. Vou até aos Aliados, subo a rua de Ceuta e demoro-me no Café Ceuta, um antigo café do Porto que ainda mantém as características antigas, dos cafés da cidade, geralmente salas grandes, de tetos altos, com mesas redondas ou de madeira. Aproveito para escrever um pouco e beber um café.
Confraria Vermelha- Livraria de Mulheres
 IMG_20170411_110849_1CS
Sigo em direcção à rua de Cedofeita e procuro a rua dos Bragas. No dia anterior informaram-me da existência de uma livraria de mulheres chamada Confraria Vermelha, situada na rua dos Bragas, nº32. Mas, quando chego até lá percebo que a mesma só abre às 13h00 e ainda são só 11 horas da manhã. Tiro umas fotografias à montra, com fotografias de mulheres escritoras e frases inspiradoras e alguns livros. Gostava de conhecer a história da mulher que teve esta ideia magnífica. Mas, o tempo não me permite voltar à loja.
IMG_20170411_110811.jpg

 Café Noémia da Costa Pinto
Desço novamente para a baixa e sigo para o Café Noémia da Costa Pinto. Um espaço agradável localizado na rua Formosa, nº386, no primeiro andar. Quando se sobe as escadas de madeira e se acede ao espaço, temos a sensação de estar a viajar no tempo e de entrar na sala de estar de uma casa antiga, decorada em estilo de anos 30. Longos sofás em pele e em veludo, vermelho e verde, mesas redondas de tampo de mármore, com pés em ferro trabalhado, um aparador ao centro, em madeira, e objectos de outras épocas decoram a sala virada para a rua, bastante iluminada.
Nas traseiras possui um pequeno jardim, onde se pode tomar um café e deliciarmo-nos com os gatos que por lá andam a aproveitar o dia sossegadamente ao sol, com lânguidos movimentos de sesta e de preguiça. No andar superior existe também uma Guest House.
Por não ter praticamente ninguém antes da hora de almoço, é ideal para quem trabalha no computador, possuindo rede wi-fi disponível. Além de ser um espaço sóbrio e elegante ainda proporciona um excelente ambiente para escrever.

IMG_20170411_114045
IMG_20170411_114112.jpg
Decido almoçar por aí sem pressas e aproveito para conhecer melhor Isaura Santos, uma das caras da Brands in Motion, que proporcionou a realização do workshop de escrita criativa «A Palavra Viajante», também ela pertencente ao grupo do facebook da Mad About Dreams para Mulheres Inspiradoras.
Esta mulher exala coragem e determinação pelos poros e revela-me durante a nossa conversa a paixão que sempre teve pelo mundo dos livros e das artes, considerando-se uma ativista de causas sociais e culturais. Presentemente desempenha atividades relacionadas com a organização e gestão de eventos e workshops e de networking informal na Brands in Motion. Este projecto nasceu em 2014 e tem como missão apoiar empreendedores e a criação de redes sociais que promovam sinergias entre vários parceiros.

A tarde é ocupada a frequentar um workshop «Wordpress, ferramenta para divulgar o teu objetivo» na Cidade das Profissões, com o formador Pedro Fonseca. Conheço este espaço da cidade, vocacionado para a vida profissional e o mundo do trabalho, promovido pela Câmara Municipal do Porto e aproveito para fazer esta formação (todos os workshops são gratuitos e possuem uma enorme oferta), dirigida sobretudo a empreendedores e curiosos na área dos blogs. Consolido conhecimentos e fico a saber mais sobre a construção destes diários digitais. O entusiasmo do formador é contagiante.

IMG_20170411_162629.jpgFinalizado o workshop há tempo para um café e um pastel de nata no café Mercator, na Rua das Flores, que se percebe ser um antigo armazém convertido agora em café. Às segundas e quartas este espaço torna-se também o local indicado para jantar e se ouvir cantar o fado. Prolongo-me apenas o tempo necessário e apresso-me para ir até à Ribeira, pois ir ao Porto sem ir à Ribeira, é como ir a Roma e não ver o Papa.

Imagem
Na Ribeira, cada vez mais turística, deixo-me ficar a observar, com tempo e sem pressas o ambiente que me envolve. Grupos de turismo organizado circulam e misturam-se com os locais. Os guias portugueses contam resumidamente a história deste lugar emblemático, num inglês arranhado, enquanto homens da Ribeira conversam ruidosamente entoando o seu típico sotaque nortenho. Poses, flashs e selfies competem com os melhores sorrisos pelo melhor instantâneo que eternizará o momento na Ribeira. No rio, que corre sempre veloz em direcção à foz, como se tivesse pressa em chegar ao seu destino, o tráfego de barcos de cruzeiros, é intenso, atraindo cada vez mais um grande número de turistas. Da Ribeira de antigamente, a que eu recordo, já resta pouco, tonando-se numa amálgama de gentes que se apinha. Já não se vêem as crianças a mergulhar no rio, como era típico no passado.
IMG_20170411_172258
Há gente sentada nas esplanadas beberricando um porto gelado ou uma bebida fresca. A tarde convida a um momento de pausa, e ainda que se adivinhe, em breve, a chegada da neblina fresca, ainda se sentem quentes, os raios de sol sobre a pele. Corre um burburinho junto à margem de pessoas que se amontoam a ver o rio, alguém brinca com bolhas de sabão gigantes, enquanto dois noivos pousam para uma foto sem brilho, como se já estivessem baços e gastos, numa moldura pendurada e esquecida numa parede velha.
Subo novamente em direcção a S. Bento e dirijo-me ao hotel. Preciso de descansar antes do próximo ponto alto do dia: um círculo de mulheres para celebrar a Deusa, no espaço Shambala.

Shambala e o Círculo de Mulheres “Despertar da Deusa”  Sem-título.jpg

A Shambala localiza-se no 3º andar do nº65 da Rua da Picaria. Subo as escadas e encontro um espaço perfumado a incenso, com uma ambiência calma e serena. As mulheres vão chegando. Conhecem-se, abraçam-se com intensidade e sorriem entre elas, revelando uma cumplicidade já partilhada anteriormente. Eu observo-as enquanto forasteira na cidade e no espaço, mas sinto uma enorme vontade de comungar do mesmo espírito com elas.
Ao entrar na sala onde decorre o círculo percebo que se respira uma paz enorme. O altar montado no centro da sala, com elementos da natureza é de uma enorme beleza. Conectamo-nos a ele através daquilo que a ele emprestamos de nosso.

O tempo ali vivido afasta-nos da ditadura do relógio e do que se passa no mundo exterior, conecta-nos com um outro mundo mais profundo, em que não tememos revelar a essência do que somos perante os olhos de outras mulheres. Ali naquele momento e naquele espaço o nosso objectivo é ser e sentir o que nos define. A minha dor, é a dor da mulher que me olha e atravessa a alma, a minha luz é a luz que irradia da outra. São momentos mágicos, consagrados ao feminino, onde não existe a competição, a mesquinhez ou a inveja que muitas vezes encontramos no nosso dia-a-dia, sobretudo em muitos universos profissionais onde trabalham muitas mulheres. Enquanto a sessão decorre penso nisso, em como nós mulheres podemos tantas vezes ser tão vis umas com as outras, quando na verdade a  nossa essência é a mesma. E com muita compaixão, muita entrega, muita autenticidade, todos os problemas poderiam ser resolvidos.

Com o final da cerimónia feminina sinto-me renascida, revigorada. Aquele círculo de mulheres, funciona também como um círculo de cura, de transmutação. Saio para a rua e vislumbro no céu aquela lua cheia poderosa, que polvilha dentro de nós sementes de transformação e mudança, gerando uma enorme agitação interna.
Já é muito tarde, fico sem bateria no telemóvel, mas ainda há uma visita para fazer, uma visita importante que me permite recuar no tempo 20 anos, quando era jovem professora universitária e tinha todas as esperanças do mundo a percorrer-me as entranhas. Visito as pessoas que me acolheram nesse período. É bom revê-las, foram muito importantes para mim, para a minha história e desabrochar. Fico um curto tempo, mas aconchega-me muito o afeto com que sempre me recebem. É bom termos pessoas assim nas nossas vidas, generosas, dedicadas, de sorriso e conversa fácil.
Retomo ao hotel, exausta de tanta experiência, de tanto enriquecimento. Não há dúvidas que esta visita ao Porto tem sido mágica e um autêntico deambular de palavras e momentos. Fecho os olhos e estou em paz.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s