Em momentos difíceis escolhes ser: a Vítima, o Carrasco ou a Aprendiza do que te acontece?

a-thinking_of_the_life-802636

Foi com que esta questão que iniciei o desafio de hoje de Autocoaching ao grupo Mad About Dreams para Mulheres Inspiradoras e as respostas quase todas incidiram na terceira opção, o que nos demonstra que tendemos cada vez mais a aprender com o que nos acontece na vida, dando-nos resistência e força para enfrentar as dificuldades.

Essa é também a resposta mais fácil, a que é politicamente mais correta, que nos faz parecer mais evoluídas e com maior nível de maturidade e desenvolvimento pessoal. Mas será mesmo assim?

A tendência geral, e talvez a mais imediata e humana, é que quando nos acontece alguma coisa que não prevíamos e se desvia do que desejávamos, tenhamos a tendência de culpar alguém, normalmente o outro que provocou essa frustração em nós, e que sob o peso da emoção nos faz sentir uma vítima injustiçada do que nos aconteceu, porque foi algo que não contávamos, como uma traição, uma mentira, uma deslealdade e isso nos tira o chão, fazendo-nos sentir o pior dos seres ao cimo da terra. Por isso vomitamos a culpa no outro e encontramos justificações para as nossas próprias atitudes e isso faz-nos sentir temporariamente apaziguadas com a nossa dor e com a nossa responsabilidade pessoal. Isso é humano não te culpes se te sentes assim!

Outra tendência é irmos buscar o “chicote” e começarmos a punir-nos, essa pode ser uma fase posterior, a de nos culparmos pelos momentos difíceis que atravessamos, porque fizemos más escolhas, porque não vimos os sinais que para outros eram evidentes, porque confiámos e fomos demasiado ingénuas, porque nunca mais aprendemos as lições da vida, etc. Nós acabamos por ser o nosso próprio bode expiatório e o carrasco mais severo de nós mesmas, com críticas e pensamentos que só nos ferem e mandam abaixo. Culpar-nos sem reservas, nem explicações não nos vai levar a nenhum lado, só nos ajuda a escavar o buraco maior onde nos metemos, e onde nos sentimos sem esperança, perdidas e tristes.

A última fase pela qual  passamos é a da aprendizagem, ou a primeira para quem já se cansou das fases anteriores. Nesse estádio de entrega e serenidade, entregamos o coração, largamos as reservas e aceitamos o que nos acontece como uma bênção, uma aprendizagem, implicando-nos no processo de corpo e alma, crescendo com as experiências que nos dificultam o caminho, porque só elas nos amadurecem o espírito e a nossa tenacidade, refletindo sobre os porquês e como podemos evitar cair nas mesmas situações no futuro. Andando e aprendendo ao nosso ritmo, ao nosso passo, deixando as culpas e os culpados, num processo fluído de amor e sabedoria.

Seja em que fase te encontres neste momento, tudo é certo, tudo é válido, pois só tu saberás como te queres sentir:  uma vítima, um carrasco ou uma aprendiza! Mas uma coisa te garanto aprender sem culpas só te fará crescer e exponenciar todo o teu ser.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s