Esperança…

Em véspera de Páscoa, a mensagem que vos deixo é de esperança. Sejam gratos por tudo o que têm, não percam o interesse na vida, coloquem amor em tudo o que fazem e sobretudo em vocês mesmas. Silenciem se necessário for, saiam de cena, vão meditar junto ao mar, rezar num templo ou igreja, fazer um retiro, caminhar na natureza, nadar, surfar, mergulhar, permitam-se ter esses momentos de paz e equilíbrio convosco. É possível transformar, mudar, só é preciso o tempo certo, o teu tempo para aceitares que as coisas boas já estão a chegar ao teu encontro. Tu consegues! Juntos transmitimos essa energia!

29597455_2087643874584619_8523471925941076231_n

Mergulha em ti!

mulher-de-costas-com-dorUltimamente os dias têm andado mais carregados, mais cinzentos, não só pelas condições meteorológicas que não sendo animadoras , são uma bênção para um país à beira da seca e da crise alimentar iminente, mas porque a energia tem andado mais densa, convidando-nos a um momento de mais calma, mais paciência, mais silêncio. Um tempo para cuidarmos de nós e das nossas dores, das nossas feridas e do que nos grita na alma.

Se te andas a sentir assim, deixa-me dizer-te que não és a única a ter estes sintomas, por isso reserva tempo para ti, permite-te estar onde estás e sentir o que estás a sentir. A conjuntura astral não está fácil, e embora não tenha conhecimentos suficientes de astrologia sei que a entrada de Saturno em Capricórnio nos veio fazer “entrar nos eixos” e deixar a brincadeira, “agora é ou vai ou racha”, vamos ter de parar de adiar decisões e tomar ação e controlo da nossa vida, ou a bem ou a mal.

Por isso este período pede-nos também desapego, fechamento de ciclos, desprendimento, seja em relação a situações ou pessoas na nossa vida, relacionamentos, ou mesmo a nossa forma de nos relacionarmos, os nossos sistemas de crenças e o nosso propósito de vida.

É tempo de soltar, abandonar, libertar, abraçar o novo para nos renovarmos. Clarificar as ilusões e abraçar a realidade por mais dolorosa que possa ser, pois é sempre preferível a consciência tranquila da verdade do que ser sustentada pela fantasia irreal. Por isso temos de abdicar da nossa zona de conforto, dos contos de fadas, dos mitos que criámos e acreditámos e passar a viver no mundo real. E por isso esta tensão entre a realidade dolorosa e a ilusão que criámos nos faz parecer que vivemos numa eterna montanha russa de emoções. É tempo de crescer!

Este processo de renovação que nos faz abraçar o abismo interno e a sensação de nos sentirmos perdidos pede-nos coragem para aceitar a nossa vulnerabilidade, o nosso propósito de alma. Se escolhermos enfiar a cabeça na areia, adiamos o nosso processo evolutivo, paramos, escondemo-nos e resistimos e como tal iremos continuar a viver as mesmas coisas. É preciso mesmo uma grande valentia da nossa parte para vivermos a verdade. Mas nós somos super-heróis…nós conseguimos!

Por isso é natural que o momento presente traga algumas lágrimas, algum desespero, porque nos é desconfortável mudar e é necessário confrontar as nossas sombras, os nossos medos e fragilidades e ver este período como uma nova oportunidade no nosso percurso.

Por isso se te sentes assim, dialoga com a tua dor, não a coloques debaixo do tapete, entende-a, procura um terapeuta se perceberes que não consegues curar-te sozinha. Aceita a luz que vem dessa dor, esse recolhimento necessário. Abraça a nudez da tua alma, expõe-te ao vazio redentor, atravessa esse deserto para ganhares novas forças e venceres o teu próprio combate.

Nada é fácil, este momento também não está a ser para muitos de nós, mas há esperança de dias melhores, mais coloridos, amenos e confiantes. Ama-te com carinho, respeita-te a ti e aos outros, cresce e evolui ao teu ritmo, nutre-te com afeto, expande o teu amor por todos e solta as amarras que te prendem e que te seguram. Mergulha em ti!

Ana Machado

Proibido Desistir

13521859_488312951367526_1514602678041260737_n

Todos temos dias em que nos sentimos a pregar no deserto, a caminhar e a derrapar no que pretendemos, temos dias em que nos apetece fugir, desistir, e não acreditar em mais nada…por cansaço, por falta de interesse…mas depois, tomamos um banho de mar, meditamos com os nossos guias e sabemos, que independentemente de tudo, há um propósito maior para continuar. Nesses momentos, por maior que seja o desânimo, sabemos que é proibido desistir, baixar os braços e confinar-nos a existirmos…Porque a vida não é uma linha reta, nem a pique, há momentos que nos pedem para refletir e sentir!