Diálogos da dor

ser-forte-nao-e-ser-imune-a-dor-mas-seguiradiante-15963071.png

Há dores para todos os gostos e feitios, dores do corpo, dores físicas que se instalam e nos degradam o bem-estar e qualidade de vida, dores que não entendemos e chegam de mansinho, anunciando que estão ali a ganhar terreno. Dores de partes do nosso corpo que nunca sentimos antes e nos surpreendem pela forma como surgem. Mas tudo tem explicação, porque o nosso corpo sabe tudo o que acontece connosco, ele tem uma história que nos acompanha, onde acumulamos muita coisa na nossa vida, sofrimento, cansaço, desgaste, e um dia, quando mal esperamos, começamos a queixar-nos e o nosso físico começa a dar sinais.

Mas, se as dores físicas nos podem deitar abaixo, porque nos fazem sentir impotentes e completamente vulneráveis, sujeitas a um diagnóstico médico, a um processo de tratamento e de cura, há outras dores, que chegam matreiras e nos podem apanhar desprevenidas e são tão ou mais difíceis do que as físicas, falo-vos das dores da alma ou da mente.
Muitas vezes, negamos as emoções e preferimos entrar em estado de negação, mentindo a nós mesmas que está tudo bem, e que aguentamos, afinal nós somos fortes. E depois, vamos calando mais um dia, aturando um chefe que nos desconsidera, um colega prepotente, um casamento ou relacionamento desgastado pela ação do tempo, a família que não nos entende, o trabalho que já não conseguimos gerir, e entre as pressões do dia a dia, vamos empurrando com a barriga os dissabores e as frustrações, colocando uma venda diante dos olhos para não ver, deitando tudo o que não gostamos debaixo de um “tapete” imaginário, para não sentir, para ter forças para prosseguir. E no entanto, as nossas emoções vão-nos segredando coisas, vão deixando pistas que não queremos perceber.

Mas, na verdade nós não somos super mulheres E depois um lindo dia, sem perceberes desmaias, a tua tensão descontrola-se, o teu coração começa a acelerar, não consegues respirar e começas a ter crises de ansiedade e pânico, tudo porque não foste a tempo de gerir as tuas emoções e resolver o que te incomoda. Se queres um conselho, nunca, mas nunca mesmo te deixes arrastar ao limite, pois arriscas-te a ter um esgotamento, uma depressão e a ter de tomar a maldita medicação, que te vai fazer inchar e sentir-te atordoada pela vida. Tu tens escolha, portanto vê o que podes fazer antes de chegar a esse ponto de saturação e resolve, nem que seja dentro de ti,  o que precisas fazer para não chegares ao limite, não te deixares sugar pelos dias, pelo cansaço extremo e pelas coisas que não consegues ultrapassar. Se não, um belo dia chegas ao médico e a resposta é : «o seu corpo está deprimido e vou receitar-lhe uns antidepressivos para voltar ao seu normal».

Se este é o cenário em que te encontras e sentes que não tens solução, o meu conselho, porque já tive alturas em que me senti assim, é que comeces a abrandar as coisas na tua vida e a preencher os teus dias com algo que te acalme e te preencha, seja uma ida ao ginásio, fazer Yoga, Meditação, Reiki, contemplar uma paisagem, ou simplesmente ter alguém com quem possas falar e te ajude a ver as coisas sob uma perspetiva diferente, e se possível começa a introduzir na tua vida novos hábitos, novas experiências. Escrever também pode ser bastante terapêutico, arranja um diário e escreve tudo o que te incomoda, liberta!
Independentemente do problema que possas possuir na tua vida atualmente, a única coisa que te posso garantir é que o tempo ajuda muito, por isso deixa-o passar, aceita-o! Nem sempre os processos em que nos encontramos de gerir as nossas dores internas são instantâneos, nem simples, por vezes podem resolver-se em semanas, outras em meses, ou até anos. Não te deixes ir abaixo por isso. Aceita a tua dor, equilibra-te com o que tens à tua volta de bom, ainda que tendo momentos em que a sintas a apertar por dentro. Não a cales, sente-a, «dá de beber à dor», como diz o fado português, permite-te chorar, se te alivia, mas depois entrega-te a novas experiências e sensações e foca-te no que te faz bem. Não te esqueças nunca que a tristeza é um vício, não a alimentes em excesso. É esse diálogo entre a dor e o entusiasmo que te abre o caminho à tua frente. Por isso faz o teu percurso ao teu ritmo, sem pressas, demores o tempo que demorares, o que importa é que chegues onde pretendes. Como diz o escritor C. S. Lewis «Ser forte não é ser imune à dor, mas seguir adiante apesar de senti-la».

Muita luz e esperança no teu caminho.

Ana Machado

Anúncios