Porto mágico: Uma deambulação através das palavras viajantes – Dia 1

03558x.jpg

Dia 1 – A chegada

Eis-me de volta ao Porto, cidade em que me tornei uma mulher independente, quando aos 23 anos, recém-licenciada em Antropologia, respondi a um concurso para professora na Faculdade de Belas Artes.
Lembro-me que nessa altura chegar à cidade foi um fascínio, era a primeira vez que estava por minha conta, fora da minha cidade e tinha uma enorme responsabilidade diante de mim: ensinar Antropologia numa universidade, quando ainda tinha tanto para aprender. Lembro-me perfeitamente do impacto que senti, quando entrei no auditório da Faculdade de Belas Artes, uma sala enorme, ainda à antiga, com cadeiras de madeira, e ter pensado: “E agora?”.
A essa experiência sucederam-se outras, procurando conhecer a cidade num curto espaço de tempo, de modo a toná-la também um pouco minha. Rapidamente dominei o nome das ruas e os itinerários dos locais mais emblemáticos, que ia assinalando numa planta da cidade do Porto que comprara na antiga livraria Sá da Costa, em Lisboa.

Voltei sempre ao Porto, de ano a ano, ou às vezes com maior intervalo de tempo, cada viagem geralmente com uma finalidade. Desta vez, percebo que o que me traz ao Porto é um objetivo bem diferente, conciliado com o propósito que tenho vindo a desenvolver no último ano: inspirar, motivar e deixar-me contagiar. Foi com essa intenção que decidi facilitar um workshop de escrita criativa, apetecia-me ir ao Porto para deixar um pouco a marca da Mad About Dreams, estimular a capacidade criativa que cada um de nós tem ao seu alcance. Foi nesse sentido, que depois de uma pesquisa na internet descobri a Brands in Motion e a Isaura Santos,  que me proporcionou realizar esse sonho, mais um…o de fazer um workshop no Porto. O céu é mesmo o limite quando nos permitimos sonhar.
Nestes dias decidi fazer itinerários alternativos pelo Porto, que me permitissem descortinar uma outra cidade, mais criativa, inspiradora e espiritual, sobre os quais irei dar falar e sugerir para que possam descobrir.

Bar Espiga 
Foi no Bar Espiga que decorreu o workshop de escrita criativa «A Palavra viajante», da Mad About Dreams. Este espaço tem imensas potencialidades, fica situado na Rua Clemente Menéres, 65 A, mas não é algo que salte à vista, nem esteja visivelmente identificado no lado exterior. Dentro do bar existe uma pequena livraria temática sobre viagens, «Muita terra» e ao fundo possui um pequeno terraço onde se pode tomar um café ou beber um copo num ambiente mais fresco e descontraído. Além de acolher eventos e workshops, possui também uma actividade regular intitulada «Viagem ao Mundo (sem sair do sofá)», que funciona como tertúlia e estimula a conversa em torno da arte de viajar.

IMG_20170410_173629

Restaurante Dona Porto
Depois de um workshop que me permitiu viajar nas palavras e conhecer pessoas extremamente interessantes no bar Espiga, o jantar foi bem próximo desse local, no jardim da Cordoaria, no restaurante Dona Porto. Este simpático estabelecimento possui uma decoração interessante, repleto de pinturas e frases inspiradoras, com um ambiente sóbrio, preenchido pela musicalidade do jazz, protagonizado pelo som do trompete e adocicado pelas vozes sedutoras e quentes, como a de Diana Krall, ou Frank Sinatra, que simplesmente adoro. Para ser perfeito, o jantar foi acompanhado de uma conversa muito feminina, matando as saudades de uma jovem médica, Filipa Pinto, amante das letras e das artes, (mulher inspiradora do grupo Mad About Dreams no Facebook), que conheci num workshop de escrita criativa em Lisboa.
IMG_20170410_202321
Deixámo-nos levar pelas palavras, pelas conversas sobre escrita e escritores, pelos sonhos que queremos realizar, sobre o que a vida nos impulsiona a fazer. Acabamos a noite entre gargalhadas, num bar perto dos Clérigos, depois de eu pedir uma bebida ao empregado que nos serve: “ Se faz favor, para mim é um tango” , expressão que no Porto usam para uma cerveja com groselha. Ri com a forma como aquele pedido me soou ao ouvido, pois pedir um tango, geralmente sensual e libidinoso a um desconhecido, tem que se lhe diga, sobretudo porque o exercício com que rematámos o exercício de escrita terminava exactamente com uma descrição de um tango. Nada é por acaso, pensei.
Despedimo-nos e celebrámos a alegria de termos voltado a estar juntas. Sabe bem ter pessoas “sol”, assim na nossa vida.(continua)